Especial

Marlene José entre as 100 mulheres mais influentes em Angola

23-04-2024 12:07

Nelson Francisco Sul

Director

Maurício Vieira Dias

Director adjunto

Antunes Zongo

Editor-Chefe

23-04-2024 12:07

Nelson Francisco Sul

Director

Maurício Vieira Dias

Director adjunto

Antunes Zongo

Editor-Chefe

Na Universidade de Minho, Portugal, Marlene Eunice de Oliveira Pedro, conhecida por Marlene José, formou-se em Relações Internacionais, na especialidade de política económica

Há 20 anos, Marlene já era um rosto conhecido entre estudantes angolanos na cidade portuguesa de Braga como presidente da associação de estudantes. Agora, 20 anos depois, Marlene José tornou-se num rosto conhecido do empresariado nacional que tem desafiado todas as vicissitudes económicas na exportação de produtos nacionais para mercados mais competitivos, como Estados Unidos da América, Canadá e a Europa.

Através da sua empresa, a FoodCare, em Novembro de 2022 deu início à exportação de produtos alimentares para o continente europeu. Um ensaio que lhe tenha permitido triunfar no mundo dos negócios em Nova Iorque. Volvidos anos de muita indecisão, Angola conseguiu, finalmente, por intermédio desta empresaria de apenas 40 anos, exportar cerca de vinte e cinco toneladas de produtos alimentares para os EUA, em resposta ao instrumento legal norte-americano que torna os países africanos elegíveis para um regime de comércio preferencial naquele país.

A falta de capacidade da classe empresarial em África é apontada como o principal obstáculo para os empresários acederem à Lei para o Crescimento e Oportunidade de África, conhecida por AGOA, criada no ano de 2000, que surge para ajudar as micro e pequenas empresas do continente.

Foi através desta jovem empresária, que chegou a liderar a Cooperativa de Mulheres Empreendedoras Africanas (AWEC, sigla em inglês), que o país fez história.

“Para as mulheres que pretendem empreender”, a empresária deixa um conselho. “Temos que dominar línguas. De contrário, ficamos limitado ao nosso mundo português. Há demasiados cursos gratuitos, vários suportes financeiros, mas que só saberás se não ficares no mundo português”.

Partilhar nas Redes Sociais

WhatsApp
Facebook
Twitter
Email